10 março 2011

A MÍDIA IMPRESSA E OS DIFERENTES RECURSOS TECNOLÓGICOS


Vivenciando o problema de muitas escolas da rede pública: “como despertar o gosto pela leitura”, os professores do Curso Mídias na Educação: Gilmar Ferreira dos Anjos, Maria Umbelina Santos de Souza Cabral e Soraia da Silva Medeiros, da Escola Básica Municipal Professora Dalcy Ávila de Souza que atende aproximadamente 600 alunos e está localizada no Bairro Beija Flor, Jaguaruna – SC refletiram sobre o sistema de leitura e as técnicas oferecidas pelos professores e profissionais da biblioteca e salas informatizadas e se deparam com os questionamentos:
De que maneira poderíamos incentivar e motivar os alunos ao hábito de ler com prazer?
Que mecanismos e recursos poderiamos utilizar para que o aluno desperte seu interesse para leitura, tornando-se um leitor competente, convertendo a leitura em objeto de aprendizagem, que faça sentido para o aluno?
Após partiram para a implantação de um projeto, usando a mídia impressa e os diferentes recursos tecnológicos com o objetivo de desenvolver atividades de incentivo a leitura, sensibilizando e proporcionando ao aluno o gosto pela leitura, tendo em vista, a formação do caráter do leitor contribuindo assim, para uma melhor qualidade de ensino aprendizagem e desenvolvimento social e cultural da comunidade.
O trabalho veio ajudar nessa gratificante tarefa de abrir portas e janelas, de mostrar caminhos, de incentivar a leitura, como poderemos verificar, por meio das atividades apresentadas.

2 comentários:

M.gk disse...

Incentivar a leitura é mais do que se pressupôem, do que se avista. Não é uma tarefa imposta, quanto mais direcionada e nem mesmo fomentada! De nada adianta um espaço cheio de livros, computadores, profissionais a altura se a afeição não vier do mais irracional sentimento humano que é a busca por horizontes novos, adentrar ao desconhecido! O despertar deste sentimento dentro de cada criança, cada jovem vem de seu envolvimento introspectivo com aquilo que ele esta absorvendo não só intelectualmente, mas culturalmente. Ele necessita dispor de razões óbvias e não abstratas para leva-lo a busca do conhecimento, a fome de ler! Este é o caminho natural e a motivação é a palavra mágica! O aluno não precisa aprender, precisa vivenciar as experiências educacionais em sua vida, a biblioteca, os livros, a internet não trarão o aluno até a mesa, a sua aguçada capacidade de perceber e expargir o seu conhecimento é o dom maior de um processo educativo que não visa o transferir, mas o integrar! Mais uma vez a questão é conceitual, não é de fora para dentro, o foco tem que ser de dentro para fora!

Luiz N.Vieira disse...

Grande Márcio!
Seus comentários enriquecem e contribuem para uma visão ampla dos temas aquí discutidos!
Abraços
Luiz