04 junho 2008

A cultura catarinense na perspectiva da inclusão digital:
Um novo olhar sobre nossas raízes

Irene Cardoso Althof – DIOC/GETEI
Luiz Napoleão Vieira – DIOC/GETEI

Ricardo Fernandes Braz – DIOC/GETEI

Identificação Projeto

UM NOVO OLHAR SOBRE A COLONIZAÇÃO CATARINENSE
UTILIZANDO TÉCNICA DE PRODUÇÃO STOP MOTION


Justificativa:

A cultura popular é a expressão mais legítima e espontânea de um povo. Os elementos fundadores de uma cultura passam por processos de transformação, assimilação e mistura. Em nosso estado, a formação de colônias aconteceu de forma diversificada. É importante assumir e reconhecer seu papel fundamental para a construção de uma identidade regional que compreenda toda a diversidade das manifestações culturais de Santa Catarina. Nesse sentido, a GETEI lança junto aos NTEs este projeto, a fim de implementar ações nas escolas catarinenses que contemplem a inserção das tecnologias dando visibilidade e integrando-as às culturas regionais.

Durante muito tempo os recursos audiovisuais só poderiam ser utilizados por profissionais com acesso à complexa e cara tecnologia do cinema e da televisão. Hoje, porém, com a popularização da câmera e com a existência de produtos relativamente simples e custos baixos qualquer um pode produzir e editar uma história digital com extrema facilidade de comunicação e poder de persuasão.Isso quer dizer que, de forma criativa e inovadora a tecnologia digital pode ser aproveitada, para dar vida a inúmeras narrativas. Na Atividade de Aprendizagem, o aluno aprende com operações e ações pertinentes ao que se está produzindo. No caso do Stop Motion, o enredo, a criação do roteiro, a confecção dos personagens, dos cenários, a sonorização, a iluminação, os materiais necessários para a produção, a fotografia, a reprodução do movimento constituem-se nas operações e ações que propiciarão ao aluno entrar em contato com conceitos de diversas áreas do conhecimento. Em particular, a Atividade de Aprendizagem em stop motion, estabelece relações entre processos tecnológicos artesanais, como confecção de bonecos, cenários com recursos tecnológicos como máquina fotográfica digital e o software de edição.
Nesse processo, os professores participam como autores privilegiados, mediando a aprendizagem e o desenvolvimento do aluno. Numa Atividade de Aprendizagem utilizam-se diversos objetos de aprendizagem para que os educandos apreendam os conceitos trabalhados. O processo de aprendizagem acontece com a participação efetiva dos educandos na execução da atividade, inclusive replanejando-a no seu processo de desenvolvimento. Essa participação é de cunho autoral, já que a Atividade de Aprendizagem coloca o educando em contato com os conceitos científicos, como Número, Gênero, Espaço, Forma, Texto, Análise, Corporeidade, Cultura e Tradição que tomam sentido quando envolvidos numa produção para qualquer fim. Por exemplo, para elaborar um roteiro para uma produção em stop motion o educando vai construindo o conceito conforme a orientação do professor, os livros, os textos on line e o que ele quer representar.
Assim com esta Atividade de Aprendizagem, pretende-se possibilitar elaborações criativas, por parte dos professores e educandos, trabalhando com conceitos de Movimento, Forma, Espaço, Texto, Coesão, Cinemática, Cultura Estética, Tempo, Ética, Mídia,, possibilitando vários nexos nos diversos campos do conhecimento.

OBJETIVOS:
GERAL
Propor novas práticas curriculares mediante a integração das diversas tecnologias, baseadas na busca da autonomia e da produção compartilhada de conhecimentos da história da colonização catarinense.

ESPECÍFICOS
Identificar metodologias de trabalho para o desenvolvimento de projetos audiovisuais educativos;
Produzir conteúdos audiovisuais como ferramentas para veiculação na futura TV Web, site e portal da SED;
Promover a Interação dos conteúdos produzidos, utilizando-os como ferramentas para o processo ensino aprendizagem, em todo território catarinense.

METODOLOGIA:
Reunir integradores de tecnologias educacionais, coordenadores e multiplicadores dos NTEs, integradores de educação básica, assistentes técnicos pedagógicos e professores,das unidades escolares para desenvolver atividades de aprendizagem significativa, utilizando recursos tecnológicos (câmeras fotográficas digitais, softwares de edição, processos de criação de bonecos, cenários, roteiros, etc).

REFERÊNCIAS
LEONTIEV, Aléxis. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Moraes, 1964.
LÉVY, PIERRI. As Tecnologias da Inteligência, Paris, 1990.
SANTA CATARINA. Proposta Curricular de Santa Catarina. Florianópolis, 1998.
_____. Tempo de Aprender 1: Subsídios para as classes de aceleração de aprendizagem nível 3 e para toda a escola. Florianópolis, 2000.
_____. Tempo de Aprender 2: Subsídios para as classes de aceleração de aprendizagem e para toda a escola. Florianópolis, 2002.
VIGOTSKI, L. S. e LURIA, A. R. História do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
VIGOTSKI, L. S. LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. L. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: 2001c.
VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
______. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1999
.

2 comentários:

Profe Elis disse...

Oi Luis, passando para conferir as novidades...Seu espaço sempre com muita coisa interessante. Não esqueci do que estou te devendo, na verdade acho que ta precisando pintar um projeto bom pra eu me motivar. Talvez minha conexão seja restabelecida e estou planejando algumas coisas que te enviarei assim que sairem do papel. Ah! obrigado pelo apoio de sempre.
Abraço carinhoso.

Culturanarede disse...

Grande Elis!
Cultura na Rede estará sempre apoiando aqueles que sem limites enfrentam tempestades em sua trajetória. Espero que voçê continue sempre corajosa,atuante,vibrante e acima de tudo contribuindo para que ações do uso pedagógico das tecnologias sejam socializadas nesse espaço colaborativo.
Conte sempre com amigo!
Abraços
Luiz